Veja abaixo as fotos de Alice Vergueiro publicadas pela Frente Alternativa Preta do ato vigília pela liberdade de Rafael Braga que ocorru no último dia 31 de julho de 2017.

Após 4 anos de uma prisão e permanência absurda em cárcere, os advogados de Rafael Braga conseguiram que um pedido Habeas Corpus seja julgado pela na 1º Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, neste dia 01 de agosto de 2017.

Rafael foi condenado em 20 de abril de 2017 pelo juiz Ricardo Coronha Pinheiro a 11 anos e três meses de reclusão e ao pagamento de R$ 1.687,00. No Dia 01 de junho a defesa entrou com pedido de Habeas Corpus para que Rafael aguarde a apelação da sentença em liberdade.

A Frente Alternativa Preta e a Campanha 30DiasPorRafaelBraga organizou um ATO-VIGÍLIA na noite da segunda, dia 31 de Julho, a partir das 18h, nas escadarias do Teatro Municipal de SP, exigindo a liberdade de Rafael. Ato simultâneo aconteceu no Rio de Janeiro. Distrito Federal programou sua vigília para dia 1/08.

Todas e todos que enxergam na prisão de Rafael Braga um retrato do racismo e da seletividade penal das instituições brasileiras pode se somar à campanha, mantendo a postagem da #LibertemRafaelBraga.

A luta deverá continuar independente do resultado, uma vez que o processo continuará.

Esses foram os links dos Eventos:

EM SÃO PAULO:
https://www.facebook.com/events/101371767227170/?fref=ts

NO RIO DE JANEIRO:
https://www.facebook.com/events/101021563927407

NO DISTRITO FEDERAL:
https://www.facebook.com/events/285174398618479/

#LibertemRafaelBraga
#HabeasCorpusParaRafaelBraga

OPERAÇÃO NA CRACOLÂNDIA E SOLIDARIEDADE DO MOVIMENTO

Em meio ao Ato nas escadarias do Teatro municipal, foi recebida a noticia de que mais uma operação policia da PM e GCM estavam violentando os usuários/moradores da região do bairro da Luz, conhecida como cracolãndia. O ATO que sairia em marcha até o TJ da Praça da Sé, decidiu por caminhar até a craco. Ao chegar no local, os cerca de 400 manifestantes só colocaram em linha entre os usuários e a PM/GCM e só se retiraram após a saída do corpo militar e da guarda municipal.